sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Vida na Flauta

Da pré-história à moderna
Flauteando sempre me encanto
Do bambu, do osso da perna
Da fada, da prata o acalento.
Do ouro me faz bebedouro
Da arte me faz sorvedouro.

Não há um tostão no chapéu,
A vida segue errante
E a mim chamam tabaréu,
Menino beligerante,
Mequetrefe, vagabundo
Que em trabalho é infecundo.

Toda prata torna em apito,
Todo ouro em pirulito,
Toda arte agora efêmera,
Toda fada em rara tâmara,
O bambu nó na garganta
E o encanto desencanta.

Insensíveis maritacas,
Mal levantam suas taças,
Só se movem com desvelo
Em prol de próprio anelo.
E em suas festas e festejos,
Quem alegra os seus cortejos?

E na arte Lumiére
Quem abala e emotiva?
E na dança desferre
Quem martela e cativa?
Um rubi ou diamante
Só com som de um belo instante.

Mas,  e após esses encantos?

Toda prata torna em apito,
Todo ouro em pirulito,
Toda arte agora efêmera,
Toda fada em rara tâmara,
O bambu nó na garganta
E o encanto desencanta.

Não há um tostão no chapéu,
A vida segue errante
E a mim chamam tabaréu,
Menino beligerante,
Que em trabalho é infecundo,
Mequetrefe, vagabundo!


©Wagner Ortiz - reg. 178-2/299-3

Um comentário:

PATY disse...

Muito Bom!

E eu já tive o prazer de ver você tocando ao vivo na faculdade...

Realmente, é um dom fantástico!

Escrever é outro dom... um dom que sai da alma como um sopro de vida!

Bjokas SU